• Gestão & Educação (Dezembro/2022)
    v. 5 n. 10 (2022)

     COMO A LEITURA PODE MUDAR A SOCIEDADE

     A leitura nos traz a oportunidade de adquirir conhecimento, sabedoria, descobrir mundos novos, desenvolver uma capacidade analítica e crítica frente às situações de vida, e consequentemente, a possibilidade de atuação ativa na formação e no desenvolvimento do meio onde estamos inseridos. A leitura é essencial para adquirirmos mais conhecimento. Estamos sendo bombardeados de informações instantâneas através da internet, mas vale ressaltar que o conhecimento é para sempre e as informações são passageiras, muitas vezes não acrescentam nada. Através do conhecimento que adquirimos através da leitura, temos nossas dificuldades diminuídas. Quanto mais eu leio mais conhecimento eu tenho, isso é cientificamente comprovado. Para ter êxito na vida é preciso gostar de ler e viajar, viajar há lugares que talvez nunca fossemos e que só foi nos permitido ir através dos livros. A leitura pode mudar muito à vida de alguém, a pessoa que lê tem uma compreensão que abrange melhor a realidade, a leitura faz com que o indivíduo seja mais crítico e mais ativo no mundo e na sociedade onde ele vive. Cabe a cada um de nós incentivar o hábito da leitura. Devemos falar dos benefícios e da importância dos livros para amigos, parentes, crianças, jovens, adultos e idosos! Entendemos, também, que aqueles que não têm oportunidades terão grandes dificuldades, pois seu conhecimento torna-se precário, não tendo uma visão mais extensa acerca dos problemas de seu cotidiano e do que acontece no país e no mundo. A leitura é essencial, é a mais poderosa ferramenta para que possamos ter opiniões e nos posicionarmos com afinco. É a maior arma existente contra a ignorância, a alienação e a massificação. É a liberdade de pensamento e do raciocínio. É a independência.


    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe

  • Gestão & Educação (Janeiro/2021)
    v. 2 n. 01 (2021)

     A IMPORTÂNCIA DA LEITURA

    Um dos grandes desafios dos professores é ensinar a leitura, e ensinar não só a decifrar códigos, mas sim a construir o hábito de ler. Além de aumentar o conhecimento, o hábito da leitura aprimora o vocabulário e ajuda na construção textual. Com o avanço das tecnologias do mundo moderno, a necessidade da leitura se faz imprescindível, uma vez que é por meio dela que o leitor identificará a intencionalidade do autor ao produzir o texto. Com o objetivo de apresentar o resultado das leituras e pesquisas realizadas por educadores e, proporcionar uma excelente leitura, a Revista Gestão & Educação apresenta mais uma edição.


    Desejamos uma boa leitura.


    Profa. Ma. Adriana Alves Farias
    Editora Revista Faconnect

  • Gestão & Educação (Julho/2023)
    v. 6 n. 07 (2023)

    O protagonismo do estudante é um tema cada vez mais relevante na educação atual. Trata-se de um conceito que defende a importância de o estudante ser o protagonista da sua própria aprendizagem, o que significa que ele deve assumir um papel ativo e responsável em seu processo educacional. Isso implica na construção de um ambiente escolar mais participativo, no qual o estudante não apenas recebe aulas e conteúdos, mas é incentivado a questionar, experimentar, pesquisar e criar novos conhecimentos. Dessa forma, o protagonismo do estudante se baseia no desenvolvimento da autonomia, da criatividade e da capacidade crítica dos alunos, que passam a ter mais voz e autonomia em sala de aula. Um dos principais benefícios desse modelo é que ele permite uma maior aproximação entre o estudante e o conhecimento, tornando o processo de aprendizagem mais significativo e engajador. Além disso, o protagonismo do estudante contribui para a formação de cidadãos mais críticos, participativos e preparados para atuar na sociedade. Porém, para que o protagonismo do estudante seja efetivo, é necessário que a escola conte com uma equipe comprometida, com uma metodologia inovadora, que valorize o diálogo e a criação de espaços para a construção conjunta do conhecimento, além de um ambiente de respeito e valorização da diversidade. O protagonismo do estudante é um modelo de educação que tem como objetivo transformar a escola em um espaço mais democrático e participativo, em que o estudante é colocado no centro do processo educacional, permitindo sua formação de maneira mais completa.


    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe
    Revista GESTÃO & EDUCAÇÃO

  • Gestão & Educação (Outubro/2022)
    v. 5 n. 08 (2022)

     POR QUE PUBLICAR ARTIGOS CIENTÍFICOS

    Ao publicar um artigo científico o autor compartilhará seu conhecimento. O ser humano é um ser social; assim, compartilhar conhecimento é começar a conviver e melhorar o meio em que está inserido. É interagir com toda a comunidade científica e, também, com qualquer interessado. Cabe observar que são os acadêmicos e os alunos buscam o embasamento teórico para construir conhecimentos. Nesse sentido, a Revista Territórios ao publicar artigos tem como objetivo contribuir para os estudos de outros pesquisadores. Contudo, é importante considerar que não são apenas os pesquisadores que precisam de informações e pesquisas de qualidade, mas sim toda a sociedade. Por isso, compartilhar ou publicar um artigo científico é um modo de participar na sociedade, é uma forma de gerar valor.


    Boa leitura!


    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe

  • Gestão & Educação (Fevereiro/2024)
    v. 7 n. 02 (2024)

    SALA DE AULA DIGITAL E APRENDIZADO IMERSIVO

    A sala de aula digital e o aprendizado imersivo representam avanços na integração da tecnologia no ambiente educacional, transformando a forma como os alunos aprendem. A sala de aula digital envolve o uso de dispositivos eletrônicos, recursos online e plataformas educacionais para facilitar o ensino e a aprendizagem. Essa abordagem visa proporcionar maior flexibilidade, acesso a recursos diversificados e interatividade. O aprendizado imersivo, por sua vez, vai além do simples uso de tecnologia, buscando envolver os alunos de maneira mais profunda e engajada. Isso pode incluir realidade virtual (RV), realidade aumentada (RA) e outras tecnologias que criam ambientes de aprendizagem mais envolventes e interativos. Essas tecnologias oferecem experiências mais práticas e visualmente ricas, contribuindo para uma compreensão mais aprofundada dos conceitos. A combinação de sala de aula digital e aprendizado imersivo visa criar ambientes educacionais mais dinâmicos, adaptáveis e alinhados às necessidades individuais dos alunos. Isso pode promover a colaboração, a criatividade e a resolução de problemas, preparando os alunos para enfrentar os desafios do mundo contemporâneo, cada vez mais tecnológico. No entanto, é importante equilibrar o uso dessas tecnologias com uma abordagem pedagógica eficaz, garantindo que o foco permaneça na promoção do aprendizado significativo.


    Profª Dra. Adriana Alves Farias
    Editora Chefe - Revista GESTÃO & EDUCAÇÃO

  • Gestão & Educação (Agosto/2019)
    v. 1 n. 01 (2019)

     É com enorme prazer que a FACON, agora FACONNET, lança a sua Revista Acadêmica Multidisciplinar Gestão & Educação. Numa sociedade cada vez mais plural, com profusão de informações e debates amplos em todos os segmentos e áreas do conhecimento, a busca de referenciais que possam nortear nossas escolhas é fundamental para direcionar as nossas carreiras. Nesse sentido, organizamos em nossa primeira edição, temáticas relevantes no cenário acadêmico e profissional de forma a prestigiar o conhecimento e a evolução tecnológica. Iniciamos com a análise da EAD como instrumento de difusão de conhecimento e seu paradigma entre a educação a distância e o paradoxo da informação. Estar inserido em um mundo cada vez mais interconectado significa convergir áreas, que, em princípio, estariam distanciadas pelas suas especificidades, mas que podem se conectar pela motivação e relação entre as carreiras do mercado produtivo e a pedagogia moderna. Daí encontramos os artigos que versam sobre coaching e formação empresarial, que dão ao leitor um prisma diferenciado no campo de atuação do pedagogo. Uma dicotomia importante que podemos ver atualmente é a de que quanto mais nos constituímos polivalentes e nos conectamos, mais parece que perdemos as nossas referências e isso, é amplamente tratado nos artigos que falam sobre motivação, carreira e pedagogia sistêmica. Claro que não deixamos de lado assuntos correlatos à formação do pedagogo, no campo da gestão e currículo, assuntos estes retratados no papel que o Coordenador Pedagógico precisa ajustar para os próximos anos e do paradigma da proteção integral e do tempo integral, que transformaram a discussão sobre a ampliação de jornada escolar um assunto que envolve a contradição entre os processos formativos na escolarização e a escola guardiã das vulnerabilidades e contenção das violências sociais. Técnico, mas não burocratizado, o artigo que fala em intertextualidade nos apresenta reflexões importantes para nossa prática docente, nos permitindo explorar outras formas de apreensão, aquisição de conceitos e consolidação de competências. Não há quem não se emocione ao ler o artigo sobre o projeto despertar, onde além de brincarem com as emoções, os autores lidam com o que há de mais belo e sensível em nossas crianças. Ao final, como desfecho de nossa primeira edição, uma pequena, mas importante apresentação conceitual sobre Libras e sua indispensável participação no debate curricular sobre a educação especial nos sistemas de ensino. Convidamos você, nosso amigo, a partilhar das publicações aqui disponibilizadas, via profissionais e pesquisadores sedentos por explorar, com comprometimento e responsabilidade, o maravilhoso universo da ciência; da tecnologia e, da educação. Mesmo em uma sociedade plural, e por vezes injusta, todos somos capazes de transformar o futuro se começarmos a moldar agora, o nosso presente.

    Ailton Alves Pereira Junior
    Um abraço a todos!

  • Gestão & Educação (Maio/2023)
    v. 6 n. 05 (2023)

    A UTILIZAÇÃO DA MÚSICA NA ESCOLA


    É prática comum, nas escolas e nas creches, principalmente nos anos iniciais, ouvir músicas na entrada e na saída do período escolar, assim como nos momentos de festividades, que obedecem ao calendário. Porém, embora a música esteja presente no cotidiano da escola ou da creche é preciso explicar um pouco sobre a sua importância na vida dos nossos discentes e docentes. A música na educação infantil desperta o lúdico, traz benefícios para a socialização, auxilia na alfabetização, ajuda a lidar com os próprios sentimentos, estimula a coordenação motora e a percepção sonora. A lista de benefícios ao trabalhar a música na educação infantil é extensa e não para por aí. A finalidade da inclusão da música na escola não é tanto transmitir uma técnica particular, mas sim trazer para o aluno opções de expressão e linguagens que o ajudarão a desenvolver o gosto pela cultura e assim futuramente expressar-se através dela. Com base em pesquisas, as crianças que desenvolvem um trabalho com a música apresentam melhor desempenho na escola e na vida como um todo e geralmente apresentam notas mais elevadas quanto à aptidão escolar. A valorização do contato da criança com a música já era existente há tempos, Platão dizia que “a música é um instrumento educacional mais potente do que qualquer outro”. É de suma importância os educadores inserirem a música no seu planejamento, bem como criar estratégias voltadas para essa área, incentivando a criança a estudar música, seja através do canto ou da prática com um instrumento musical, isso desde a educação infantil.


    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe
    Revista GESTÃO & EDUCAÇÃO

  • Gestão & Educação (Agosto/2022)
    v. 5 n. 06 (2022)

     ESCREVER TEXTOS

    Constantemente nos deparamos com a situação de escrever textos coesos e coerentes, para tanto, planejar a organização do texto é o que faz toda a diferença. A ato de escrever requer mais do que raciocínio, escrever é um processo mental que leva à investigação. Por meio da escrita é possível refletir, organizar ideias e reproduzí-las com mais clareza. O princípio e motivo básico da escrita é a expressão de um pensamento, de sentimentos, de conhecimento, de uma reflexão, etc. Isso significa afirmar que é a exposição escrita do que poderia ter sido dito. Há situações, assuntos, memórias que precisam ser escritas e não faladas! A escrita, nesse contexto, passa ser como o escape daquilo que está dentro de nós! Partindo desse pressuposto, a Revista Gestão & Educação apresenta mais uma edição que apresentará os sentimentos, pensamentos, autoconhecimentos e pesquisas dos educadores.

    Boa leitura!

    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe
    Revista GESTÃO & EDUCAÇÃO

  • Gestão & Educação (Dezembro/2023)
    v. 6 n. 12 (2023)

    AGRADECIMENTOS

    Caros Leitores,
    É com imensa satisfação e gratidão que apresentamos a última edição do ano da Revista FACONNECT, um espaço que se tornou palco para a disseminação do conhecimento e o compartilhamento  das experiências acadêmicas que moldam o ambiente educacional em nossa faculdade. Ao fecharmos este ciclo editorial, é imperativo expressar nossa profunda apreciação a todos os professores que, ao longo deste ano, generosamente compartilharam seus artigos, proporcionando uma rica troca de saberes que enriqueceu não apenas as páginas desta revista, mas também os corredores de nossa instituição. Cada artigo publicado nesta revista é mais do que uma simples contribuição acadêmica; é um testemunho do compromisso incansável dos nossos professores com a excelência educacional. Eles não apenas lecionam, mas também inspiram, desafiando-nos a pensar de maneiras novas e criativas. Ao abrir espaço para que os docentes descrevessem suas experiências acadêmicas e compartilhassem suas inquietações temáticas, esta revista se tornou um reflexo verdadeiro do dinamismo intelectual que permeia nossos corredores. Acreditamos que o conhecimento deve circular, e nossos professores personificaram esse ideal ao oferecerem uma visão única e valiosa de suas jornadas acadêmicas. Em particular, é digno de nota destacar não apenas o que nossos professores ensinaram, mas também o que aprenderam ao longo do ano de 2023 por meio dos cursos oferecidos em nossa instituição. O comprometimento com o aprendizado contínuo é uma característica que define a qualidade de um educador, e nossos professores demonstraram isso de maneira exemplar. Suas experiências enriquecedoras contribuíram não apenas para seu desenvolvimento pessoal, mas também para aprimorar ainda mais a qualidade do ensino que oferecemos. Esta edição especial é, portanto, uma celebração não apenas do conhecimento compartilhado, mas também da dedicação inabalável de nossos professores ao aprimoramento constante. Agradecemos a cada um deles por ser uma parte vital deste processo de construção de conhecimento que é a base de nossa instituição. Que esta revista continue a ser um farol de inspiração para todos os membros da comunidade acadêmica e um testemunho duradouro da colaboração e do comprometimento que caracterizam a Faculdade FACONNECT. A todos os nossos professores, um sincero obrigado por fazerem a diferença e por continuarem a moldar o futuro da educação em nossa instituição.


    Com estima,
    Profº Ms. Eber da Cunha Mendes
    Conselho Editorial - Revista GESTÃO & EDUCAÇÃO

  • Gestão & Educação (Fevereiro/2020)
    v. 2 n. 1 (2020)

    Olá amigos,

    A revista Gestão & Educação chega em sua segunda edição trazendo textos que refletem sobre relevantes temáticas do trabalho multidisciplinar na escola. Logo no primeiro texto, iniciamos com a difícil, mas importante questão, da organização de projetos que abram espaço para a discussão a respeito da diversidade cultural e dos direitos humanos, temas estes tão presentes nos ambientes escolares e tão reivindicados pela sociedade comum. E por falar em direitos, logo no texto seguinte, trazemos um relato sobre a Psicomotricidade como instrumento de organização de aulas mais ajustadas e contextualizadas para alunos com Síndrome de Down.

    Se os textos iniciais trazem como foco a apresentação de propostas de chão de escola, o terceiro texto aborda sobre as crenças e sentimentos em relação à matemática e seu ensino, ainda nessa seara de atendimento especializado, a relevância do papel da comunicação entre a escola e a família de alunos com necessidades educacionais especiais. Em um momento de debates vinculados à reforma curricular por meio da BNCC, a discussão sobre as linguagens artísticas e seu papel integrador são o foco do quinto texto desta edição, que discorre sobre a arte terapia nos processos de aprendizagens para alunos com deficiência física.

    O quinto texto recorre a dados sobre a educação no país e, afirma a necessidade de se estabelecer um senso crítico de como se trata alguns assuntos que circundam a atuação do professor, assim como da compreensão de se intuir um trabalho de preparação emocional para atuar na carreira docente. O sétimo texto traz a sustentabilidade para o debate, explanando sobre a horta como procedimento de múltiplas possibilidades de se experimentar, didaticamente, práticas de apropriação de conceitos sobre o respeito ao meio e contato com a terra. No oitavo, a licença poética de sorrir por meio da contação de histórias e de como elas nos impactam de maneira sensível e pedagógica.

    O nono texto desta edição, nos chama à responsabilidade de se contextualizar o universo da infância por meio das brincadeiras e do jogo lúdico, elementos fundamentais para a constituição de autonomias na educação infantil.

    O penúltimo texto aborda como, ao longo do processo histórico de educação brasileira, a rede privada foi se organizando para o atendimento público e, por fim, o derradeiro texto fecha essa segunda edição, com os estudos a respeito da teoria das cores e sua utilização na Neurociência, com relato da utilização da pedagogia cromática a favor da pesquisa e da aprendizagem. Esperamos que nossos leitores possam ser provocados pelos textos, a fim de ampliarem sua visão sobre a educação e seu vasto e amplo universo de pesquisa e práticas experimentais.

    Sejam todos bem-vindos e apreciem sem moderação! Um abraço a todos!

    Raimundo Nonato de Carvalho Júnior

  • Gestão & Educação (Março/2023)
    v. 6 n. 03 (2023)

     DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES, A IGUALDADE DE GÊNERO E SUSTENTABILIDADE

     A igualdade de gênero e a busca por condições cada vez menos desiguais entre homens e mulheres tem sido um tema constante quando falamos sobre a construção de uma sociedade mais justa. Esse assunto se torna central e assume a frente das discussões quando chegamos ao Mês da Mulher. “O avanço da igualdade de gênero no contexto da crise climática e a redução do risco de desastres é um dos maiores desafios globais do século XXI. As mulheres estão cada vez mais sendo reconhecidas como mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas do que os homens, pois constituem a maioria dos pobres do mundo e são mais  dependentes dos recursos naturais que as mudanças climáticas mais ameaçam”, explica a ONU Mulheres. Ao mesmo tempo, mulheres e meninas são líderes e agentes de mudança eficazes e poderosos para a adaptação e mitigação do clima. Elas estão envolvidas em iniciativas de sustentabilidade em todo o mundo, e sua participação e liderança resultam em ações climáticas mais eficazes. Trabalhar, cuidar da casa, dos filhos, dos idosos e ainda cursar mestrado ou doutorado é tarefa para poucos, ou melhor, para poucas, pois nem todas conseguem gerenciar uma multijornada. Mas existem aquelas, cujas realidades foram captadas na pesquisa de campo que optaram por encarar múltiplas atividades em busca da realização pessoal e profissional. O Dia Internacional da Mulher não serve apenas para comemoração, ele é um lembrete do longo caminho que ainda temos a percorrer.


    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe

  • Gestão & Educação (Junho/2022)
    v. 5 n. 04 (2022)

     AS RELAÇÕES ESCOLA E COMUNIDADE

    As relações entre a escola e a comunidade são de suma importância para as ações pedagógicas. No decorrer da história a escola deixou de ser um espaço de transmissão de conhecimentos, para atuar na função de um espaço de ¨relações¨. Nesse sentido, a escola passou a oferecer aos alunos e professores a construção do conhecimento juntos, ou seja, um aprendendo com o outro, a partir da escuta, diálogo, consciência crítica, ocupações construtivas e do envolvimento da família. Diante disso, a escola, por meio das ações desenvolvidas pela equipe gestora, equipe pedagógia e comunidade, vem promovendo ações mobilizadoras dos potenciais educativos da comunidade, apresentando como ponto de partida a necessidade local e atraindo a comunidade para agir em conjunto, potencializando dessa forma a capacidade de gerar visibilidade das necessidades da comunidade. Acreditando nessa proposta a Revista Gestão & Educação apresenta mais uma edição que permeia as pesquisas realizadas pelos educadores que estão diariamente em busca da qualidade para a educação brasileira.


    Adriana Alves Farias
    Editora-chefe da Revista Territórios
    Profa. Doutora em Língua Portuguesa– PUC-SP

  • Gestão & Educação (Outubro/2023)
    v. 6 n. 10 (2023)

    PROMOVENDO A COMPREENSÃO E O APOIO PARA O TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA)

    O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um tema que merece nossa atenção constante e nosso compromisso contínuo de compreensão e apoio. Hoje, enquanto refletimos sobre esse transtorno, é fundamental lembrar que a inclusão e a aceitação  são os alicerces de uma sociedade verdadeiramente diversa e acolhedora. O TEA é uma condição neurológica complexa que afeta indivíduos de maneira única. Cada pessoa com TEA possui habilidades, desafios e perspectivas distintas. Devemos valorizar e respeitar essa diversidade, buscando oportunidades para capacitar e apoiar cada indivíduo, independentemente de sua posição no espectro. A conscientização é o primeiro passo para promover uma sociedade mais inclusiva. Devemos educar a nós mesmos e aos outros sobre o TEA, eliminando mitos e estereótipos prejudiciais. O conhecimento é a base sobre a qual construímos a empatia e o respeito. Além disso, é crucial investir em recursos e programas que ofereçam suporte às pessoas com TEA e às suas famílias. Isso inclui serviços de saúde, educação e oportunidades de emprego adaptadas às necessidades individuais. A inclusão começa na escola, no local de trabalho e na comunidade. Ao celebrarmos o Dia Mundial de Conscientização do Autismo e todos os dias, devemos reafirmar nosso compromisso de criar um mundo onde todas as pessoas, independentemente de sua condição, possam viver com dignidade, respeito e igualdade de oportunidades. Unidos, podemos construir uma sociedade mais inclusiva e compassiva, na qual o TEA seja compreendido e acolhido.

    Prof. Ms. Eber da Cunha Mendes
    Conselho Editorial - Revista GESTÃO & EDUCAÇÃO

  • Gestão & Educação (Janeiro/2023)
    v. 6 n. 01 (2023)

     ESCRAVIDÃO NA ATUALIDADE

    O trabalho escravo moderno, ou trabalho análogo à escravidão como definido pela legislação brasileira, é mais comum no Brasil do que imaginamos. Desde 1995, quando começaram as fiscalizações específicas, mais de 50 mil pessoas foram resgatadas nessas condições. Em geral, o trabalho escravo moderno começa com a informalidade e daí vai piorando, podendo envolver condições degradantes (ambientes insalubres e/ou perigosos, falta de água e equipamentos de proteção, comida podre etc.), retenção de documentação, não pagamento ou descontos ilegais no salário, servidão por dívida, sequestro e violência. No Brasil, os setores que mais são flagrados com trabalho escravo moderno são o agronegócio, a construção civil, a moda e o serviço doméstico. Interessante notar que são setores que produzem muita riqueza – mas quase nunca para os trabalhadores. Na moda, por exemplo, grandes marcas de luxo e famosas marcas do varejo nacional volta e meia são acusadas de usufruírem do trabalho escravo, muitas vezes de imigrantes. No caso do serviço doméstico, temos muitos casos que chamam a atenção, quase sempre envolvendo famílias de classe alta. Quando comparamos os países, o Brasil não é completamente atrasado nesse aspecto, mas claramente estamos vendo uma lentidão catastrófica na resolução dos problemas de forma mais eficaz e rápida. A escravidão que ainda persiste no país necessita de uma luta ampla, principalmente corporativa e social. Por outro lado, as empresas devem optar por honrar seus funcionários e respeitar seus direitos, cumprindo seu papel na sociedade e o poder público deve continuar atuando na prevenção e na proteção dos direitos de cada cidadão.


    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe

  • Gestão & Educação (Abril/2022)
    v. 5 n. 02 (2022)

     Profissão: PROFESSOR

    Quando falamos em Educação é imprescindível abordarmos questões como a redução das desigualdades educacionais por meio de uma política transformadora educacional. Isso impacta pensar na formação do professor e no reflexo da sua atuação em sala de aula. Atualmente é possível observar que, por meio das pesquisas acadêmicas, a educação brasileira passou por mudanças nas formas de aprender e ensinar. Os cursos de licenciatura visam preparar os futuros professores para dialogarem com a realidade dentro da sala de aula atuando como mediadores da aprendizagem. Para estimular a leitura sobre o que alguns educadores
    produzem no cotidiano escolar brasileiro, a Revista Gestão & Educação apresenta mais uma edição das pesquisas produzidas por esses profissionais.


    Adriana Alves Farias
    Editora-chefe da Revista Territórios
    Profa. Doutora em Língua Portuguesa– PUC-SP

  • Gestão & Educação (Agosto/2023)
    v. 6 n. 08 (2023)

    IMPACTOS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NA EDUCAÇÃO

    A inteligência artificial (IA) tem demonstrado um enorme potencial para revolucionar diversos setores, e a educação não é exceção. Os impactos da IA na área educacional têm sido estudados e discutidos por especialistas e pesquisadores em todo o mundo.  Uma das principais maneiras pelas quais a IA está impactando a educação é a personalização do ensino. Com o uso da IA, é possível coletar e analisar grandes volumes de dados sobre o desempenho dos alunos, permitindo que os educadores identifiquem as necessidades individuais de cada estudante. Com base nessa análise, os sistemas de IA podem criar planos de ensino personalizados, adaptando o conteúdo e a forma como é apresentado para atender às necessidades específicas de cada aluno. Isso proporciona uma experiência de aprendizado mais eficiente e efetiva para cada estudante, maximizando seu potencial de desenvolvimento. Um dos principais benefícios desse modelo é que ele permite uma maior aproximação entre o estudante e o conhecimento, tornando o processo de aprendizagem mais significativo e engajador. Além disso, o protagonismo do estudante contribui para a formação de cidadãos mais críticos, participativos e preparados para atuar na sociedade. A IA também tem o potencial de ampliar o acesso à educação. Com o uso de plataformas de aprendizagem online baseadas em IA, é possível disponibilizar material educacional de alta qualidade para estudantes em qualquer lugar do mundo. Isso é especialmente importante em regiões remotas ou em países com poucos recursos educacionais, onde a IA pode ajudar a democratizar o acesso ao conhecimento. Os impactos da IA na educação são vastos e promissores. A personalização do ensino, a identificação de problemas de aprendizado, a criação de assistentes virtuais e a ampliação do acesso à educação são apenas algumas das maneiras pelas quais a IA está transformando a forma como aprendemos. À medida que avançamos nessa área, é essencial buscar uma integração responsável e ética da IA na educação, garantindo que ela seja usada como uma ferramenta para potencializar o aprendizado e o desenvolvimento dos alunos.


    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe - Revista GESTÃO & EDUCAÇÃO

  • Gestão & Educação (Novembro/2022)
    v. 5 n. 09 (2022)

     A IMPORTÂNCIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

    O dia 20 de novembro marcou a comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra, data em que Zumbi do Palmares, líder de um dos maiores quilombos e símbolo de resistência negra, morto em 1695. Relembrar Zumbi em novembro é trazer a luta e a resistência para o centro da discussão. O racismo está na contramão de toda a evolução que desejamos política e economicamente. A gente vive em um país sem memória, mas precisamos lembrar que o respeito ao próximo é o básico. A diversidade é um dos bens mais preciosos que temos e apenas tendo essa representatividade teremos um país mais justo e igualitário. É preciso ter “consciência negra” o ano inteiro e não somente no dia 20 ou durante o mês de novembro. É preciso reconhecer lugares de privilégios dentro da estrutura social. E como diz a filósofa estadunidense Angela Davis: “Numa sociedade racista não basta não ser racista, é preciso ser antirracista”. O dia 20 de novembro, como o Dia da Consciência Negra, veio para contribuir com a problematização e rompimento de padrões estéticos, morais e culturais na sociedade brasileira. Tem como ponto central pensar em estratégias para construir e reconstruir, a todo momento, a humanidade da população negra. Nesse processo, a educação é uma ferramenta fundamental. Porém, a sociedade precisa criar condições para implementar mudanças de paradigmas e, consequentemente, romper com dogmas e estigmas. Assim, celebrar essa data significa também reconhecer que o racismo existe e precisa ser superado.


    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe

  • Gestão & Educação (Março/2021)
    v. 3 n. 02 (2021)

     Qual a importância da educação?

    A Educação possui impacto em todas as áreas da vida em sociedade. Nesse sentido, o acesso a uma Educação de qualidade contribui para o progresso individual e coletivo do povo, uma vez que ajuda não só no desenvolvimento do país, como de cada pessoa. A importância da Educação vai além do aumento da renda ou das chances de se obter um bom emprego. Perguntar sobre a importância da Educação é como perguntar qual a importância das relações em sociedade. É por meio da Educação que nos preparamos para todas as áreas da vida e garantimos nosso desenvolvimento social, econômico e cultural. Nesse contexto, é imprescindível pontuar Paulo Freire que nos coloca a importância de ser um eterno aprendiz ao afirmar que “não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino”, para tanto, a fim de contribuir com a pesquisa na área da Educação, apresentamos mais uma edição da Revista Facon, onde poderemos ler e analisar as contribuições dos educadores com suas pesquisas.


    Boa leitura!


    Profa. Ma. Adriana Alves Farias
    Editora Revista Faconnect

  • Gestão & Educação (Junho/2023)
    v. 6 n. 06 (2023)

    O PROFESSOR E O RESGATE DA EDUCAÇÃO IDEAL


    O professor desempenha um papel fundamental na educação ideal. Ele é o facilitador do aprendizado, que ajuda os alunos a adquirirem conhecimento, habilidades e valores que irão prepará-los para o mundo.  Um professor ideal é alguém que está entusiasmado com o ensino e está comprometido em ajudar seus alunos a alcançar seus objetivos. Ele é um guia e um mentor, que tem uma paixão pelo aprendizado e uma crença inabalável na capacidade de seus alunos para ter sucesso. Além disso, o professor ideal é alguém que é capaz de adaptar suas estratégias de ensino às necessidades individuais de cada aluno. Ele entende que os alunos têm diferentes estilos de aprendizagem e que cada um precisa de um tipo diferente de suporte e orientação. O professor ideal também é um modelo positivo para seus alunos. Ele ensina pelo exemplo, demonstrando ética, respeito e preocupação pelo bem-estar de seus alunos e da comunidade em que vivem. Em resumo, o papel do professor na busca por uma educação ideal é inestimável. É através de um professor dedicado e comprometido que os alunos podem adquirir as habilidades e valores necessários para serem bem-sucedidos na vida.


    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe
    Revista GESTÃO & EDUCAÇÃO

  • Gestão & Educação (Setembro/2022)
    v. 5 n. 07 (2022)

     ESCREVER TEXTOS

    Constantemente nos deparamos com a situação de escrever textos coesos e coerentes, para tanto, planejar a organização do texto é o que faz toda a diferença. A ato de escrever requer mais do que raciocínio, escrever é um processo mental que leva à investigação. Por meio da escrita é possível refletir, organizar ideias e reproduzí-las com mais clareza. O princípio e motivo básico da escrita é a expressão de um pensamento, de sentimentos, de conhecimento, de uma reflexão, etc. Isso significa afirmar que é a exposição escrita do que poderia ter sido dito. Há situações, assuntos, memórias que precisam ser escritas e não faladas! A escrita, nesse contexto, passa ser como o escape daquilo que está dentro de nós! Partindo desse pressuposto, a Revista Gestão & Educação apresenta mais uma edição que apresentará os sentimentos, pensamentos, autoconhecimentos e pesquisas dos educadores.


    Boa leitura!

    Profa. Dra. Adriana Alves Farias
    Editora-chefe

##common.pagination##