• Gestão & Educação (Julho/2020)
    v. 2 n. 3 (2020)

    Olá amigos,

    A Revista Gestão & Educação chega ao seu terceiro número. Para muitos, isso não seria algo interessante. Porém, quando consideramos o atual momento pelo qual a humanidade passa, isto é, a Pandemia de COVID-19, é preciso ter em conta que isso é uma grande realização.

    Trata-se, em primeiro lugar, de uma superação. Afinal, mesmo em meio as dificuldades, a tarefa da Revista Gestão & Educação continua sendo a divulgação científica da produção de educadores e profissionais nas áreas ligadas a gestão, que compartilham de suas experiências, pesquisas e ações, de modo a contribuir para o desenvolvimento dessas áreas essenciais. Supera-se as barreiras, de alguma maneira impostas, para cumprir a sua razão de ser.

    Em segundo lugar, percebe-se essa superação naqueles que, escolhendo a Gestão & Educação, como meio de tornar público o seu trabalho, não se demoveram dele mesmo com as dificuldades. Deste modo, cada contribuição é em si superação e avanço sobre os desafios, de modo que podemos apresentar os seguintes trabalhos para você, nosso leitor.

    Nesta edição, temos doze trabalhos voltados para a área da educação, abrangendo vários de seus aspectos como métodos de gestão e qualidade escolar, tópicos ligados às relações de psicomotricidade, psicopedagogia e neurologia aplicados à educação, bem como aspectos metodológicos para melhor efetivação do processo ensino-aprendizagem.

    Mais uma vez agradecemos a todos os articulistas pelas suas contribuições e convidamos você desfrutar dessa edição.

    Grande abraço!

    Boa Leitura!

    Dr. Gladson Cunha - Editor-Geral

  • Gestão & Educação (Dezembro/2019)
    v. 1 n. 1 (2019)

    EDITORIAL

     

    Olá amigos!

     

    É com enorme prazer que a FACON, agora FACONNET, lança a sua revista acadêmica e multidisciplinar Gestão & Educação. Numa sociedade cada vez mais plural, com profusão de informações e debates amplos em todos os segmentos e áreas do conhecimento, a busca de referenciais que possam nortear nossas escolhas é fundamental para direcionar as nossas carreiras. Nesse sentido, organizamos em nossa primeira edição, temáticas relevantes no cenário acadêmico e profissional de forma a prestigiar o conhecimento e a evolução tecnológica. Iniciamos com a análise da EAD como instrumento de difusão de conhecimento e seu paradigma entre a educação a distância e o paradoxo da informação. Estar inserido em um mundo cada vez mais interconectado significa convergir áreas, que, em princípio, estariam distanciadas pelas suas especificidades, mas que podem se conectar pela motivação e relação entre as carreiras do mercado produtivo e a pedagogia moderna. Daí encontramos os artigos que versam sobre coaching e formação empresarial, que dão ao leitor um prisma diferenciado no campo de atuação do pedagogo. Uma dicotomia importante que podemos ver nos dias atuais é a de que quanto mais nos constituímos polivalentes e nos conectamos, mais parece que perdemos as nossas referências e isso, é amplamente tratado nos artigos que falam sobre motivação, carreira e pedagogia sistêmica. Claro que não deixamos de lado assuntos correlatos à formação do pedagogo, no campo da gestão e currículo, assuntos estes retratados no papel que o Coordenador Pedagógico precisa ajustar para os próximos anos e do paradigma da proteção integral e do tempo integral, que transformaram a discussão sobre a ampliação de jornada escolar um assunto que envolve a contradição entre os processos formativos na escolarização e a escola guardiã das vulnerabilidades e contenção das violências sociais.

     

    Técnico, mas não burocratizado, o artigo que fala em intertextualidade nos apresenta reflexões importantes para nossa prática docente, nos permitindo explorar outras formas de apreensão, aquisição de conceitos e consolidação de competências. Não há quem não se emocione ao ler o artigo sobre o projeto despertar, onde além de brincarem com as emoções, os autores lidam com o que há de mais belo e sensível em nossas crianças. Ao final, como desfecho de nossa primeira edição, uma pequena, mas importante apresentação conceitual sobre Libras e sua indispensável participação no debate curricular sobre a educação especial nos sistemas de ensino. Convidamos você, nosso amigo, a partilhar das publicações aqui disponibilizadas, via profissionais e pesquisadores sedentos por explorar, com comprometimento e responsabilidade, o maravilhoso universo da ciência; da tecnologia e, da educação. Mesmo em uma sociedade plural, e por vezes injusta, todos somos capazes de transformar o futuro se começarmos a moldar agora, o nosso presente.

     

    Um abraço a todos

    Ailton Alves Pereira Junior

  • Gestão & Educação (Fevereiro/2020)
    v. 2 n. 1 (2020)

    Olá amigos,

    A revista Gestão & Educação chega em sua segunda edição trazendo textos que refletem sobre relevantes temáticas do trabalho multidisciplinar na escola. Logo no primeiro texto, iniciamos com a difícil, mas importante questão, da organização de projetos que abram espaço para a discussão a respeito da diversidade cultural e dos direitos humanos, temas estes tão presentes nos ambientes escolares e tão reivindicados pela sociedade comum. E por falar em direitos, logo no texto seguinte, trazemos um relato sobre a Psicomotricidade como instrumento de organização de aulas mais ajustadas e contextualizadas para alunos com Síndrome de Down.

    Se os textos iniciais trazem como foco a apresentação de propostas de chão de escola, o terceiro texto aborda sobre as crenças e sentimentos em relação à matemática e seu ensino, ainda nessa seara de atendimento especializado, a relevância do papel da comunicação entre a escola e a família de alunos com necessidades educacionais especiais. Em um momento de debates vinculados à reforma curricular por meio da BNCC, a discussão sobre as linguagens artísticas e seu papel integrador são o foco do quinto texto desta edição, que discorre sobre a arte terapia nos processos de aprendizagens para alunos com deficiência física.

    O quinto texto recorre a dados sobre a educação no país e, afirma a necessidade de se estabelecer um senso crítico de como se trata alguns assuntos que circundam a atuação do professor, assim como da compreensão de se intuir um trabalho de preparação emocional para atuar na carreira docente. O sétimo texto traz a sustentabilidade para o debate, explanando sobre a horta como procedimento de múltiplas possibilidades de se experimentar, didaticamente, práticas de apropriação de conceitos sobre o respeito ao meio e contato com a terra. No oitavo, a licença poética de sorrir por meio da contação de histórias e de como elas nos impactam de maneira sensível e pedagógica.

    O nono texto desta edição, nos chama à responsabilidade de se contextualizar o universo da infância por meio das brincadeiras e do jogo lúdico, elementos fundamentais para a constituição de autonomias na educação infantil.

    O penúltimo texto aborda como, ao longo do processo histórico de educação brasileira, a rede privada foi se organizando para o atendimento público e, por fim, o derradeiro texto fecha essa segunda edição, com os estudos a respeito da teoria das cores e sua utilização na Neurociência, com relato da utilização da pedagogia cromática a favor da pesquisa e da aprendizagem. Esperamos que nossos leitores possam ser provocados pelos textos, a fim de ampliarem sua visão sobre a educação e seu vasto e amplo universo de pesquisa e práticas experimentais.

    Sejam todos bem-vindos e apreciem sem moderação! Um abraço a todos!

    Raimundo Nonato de Carvalho Júnior